SOBRE A ARTE

SOBRE A ARTE

5 livros para conhecer a literatura francesa

Silvia Monteil, diretora da Livraria Francesa, indica 5 livros para conhecer a literatura do país de Flaubert e Baudelaire

Parce que je t’aime (Porque te amo)

Guillaume Musso

É o autor contemporâneo mais vendido na França nos últimos anos. O livro começa com o desaparecimento de Layla, uma menina de cinco anos. Este fato acaba na separação de seus pais. Outros personagens aparecem na história, que é muito envolvente e cativante. Vale a pena cada parágrafo.







Madame Bovary

Gustave Flaubert

Clássico da literatura francesa, publicado originalmente na metade do século 19. Na época foi considerado escandaloso. O romance é sobre Emma, uma camponesa que acha sua vida conjugal enfadonha e começa a se deleitar com leituras picantes e envereda pelo adultério. O autor chegou a ser processado por atentado ao pudor e à religião.






Les trois mousquetaires (Os três Mosqueteiros)

Alexandre Dumas

Leitura obrigatória, este clássico de A. Dumas já foi encenado à exaustão, tanto no teatro como no cinema. O original de Dumas trata de um jovem que deseja ser mosqueteiro na França no século 17, na época do reinado do Rei Luís 18. Logo encontra seus companheiros Athos, Porthos e Aramis e a aventura está lançada. Prepare-se para muitas emoções! Este romance apresenta ainda uma boa caracterização do período histórico em que se desenrola






Gaspard de la nuit

Aloysius Bertrand

Celebrado por ninguém menos que Charles Baudelaire - que confessa sua dívida ao poeta no prefácio do célebre "Spleen de Paris" - Aloysius Bertrand foi precursor de marcantes movimentos poéticos franceses como o simbolismo (final do século 19) e o surrealismo (primeira metade do 20). Sua única obra publicada - postumamente, diga-se! - "Gaspard de la Nuit : Fantasias à maneira de Rembrandt e de Callot" inspirou o autor das "Flores do Mal" a se aventurar por esta nova forma poética que Bertrand, por meio de seus surpreendentes retratos do cotidiano, inaugurou: a prosa poética. Em 1908, Ravel compôs um tríptico para piano inspirado na obra.




Les Villes Tentaculaires (Cidades Tentaculares)

Émile Verhaeren

Um dos maiores nomes da poesia belga de expressão francesa, Émile Verhaeren faz em sua coletânea de poemas "Cidades Tentaculares" a denúncia do modo cruel como os operários de seu tempo - a segunda metade do século 19 - eram submetidos às demandas da modernidade industrial, com suas cidades sufocadas pela exploração humana e pela sanha de acumulação dos abastados. Atualíssimo.






Silvia Monteil é diretora da Livraria Francesa, que completou 70 anos em 2017. A livraria, no centro de São Paulo, é uma das mais tradicionais da cidade e foi fundada pelo seu avô, o engenheiro Paul Monteil. Silvia tem doutorado em entomologia pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"​, da USP.


EM DESTAQUE
ÚLTIMOS POSTS
CATEGORIAS
TAGS
Nenhum tag.
ARQUIVO